quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

EDUCAÇÃO ESPARTANA

Hoje conheceremos um pouco sobre a antiga educação espartana e como ela conseguil conquistar todos as outra cidades vizinhas á ela.
Esparta (em grego Σπάρτη, transl. em grego moderno Spárti, em grego antigo, Spártē) é um município da Grécia, situada nas margens do rio Eurotas, no sudeste da região do Peloponeso. Foi uma das mais notórias cidades-estado da Grécia Antiga; conquistou a vizinha Messénia cerca do ano 700 a.C. e, duzentos anos mais tarde, coligou-se a seus outros vizinhos, formando a Liga do Peloponeso. Na Guerra do Peloponeso, no século V a.C., Esparta derrotou Atenas e passou virtualmente a governar toda a Grécia, mas em 371 a.C.
O governo de Esparta tinha como um de seus principais objetivos fazer de seus cidadãos modelos de soldados, bem treinados fisicamente, corajosos e obedientes às leis e às autoridades. 
Em Esparta, os homens eram na sua maioria soldados e foram responsáveis pelo avanço das técnicas militares, melhorando e desenvolvendo um treino, organização e disciplina nunca vistos até então.
A educação espartana, que recebia o nome técnico de agogê, apresentava as particularidades de estar concentrada nas mãos do Estado e de ser uma responsabilidade obrigatória do governo. Estava orientada para a intervenção na guerra e a manutenção da segurança da cidade, sendo particularmente valorizada a preparação física que visava fazer dos jovens bons soldados e incutir um sentimento patriótico. Nesse treinamento educacional eram muito importantes os treinamentos físicos, como salto, corrida, natação, lançamento de disco e dardo. Nos treinamentos de batalha, as meninas se dedicavam ao arco e flecha. Já os meninos eram especialistas em combate corporal,assim como em táticas defensivas e ofensivas.Desde o nascimento até a morte, o espartano pertencia ao Estado. Os recém-nascidos eram examinados por um conselho de anciãos que ordenava eliminar os que fossem portadores de deficiência física ou mental ou não fossem suficientemente robustos (uma forma de eugenia). As crianças Espartanas eram espancadas pelos pai para se tornarem mais fortes, e, se não fossem, morreriam.A partir dos sete anos de idade, os pais (cidadãos) não mais comandavam a educação dos filhos. As crianças eram entregues à orientação do Estado, que tinha professores especializados para esse fim. Os jovens viviam em pequenos grupos, levando vidas muito austeras, realizavam exercícios de treino com armas e aprendiam a táctica de formação.
A educação espartana, supervisionada por um magistrado especial, o paidónomo, compreendia três ciclos, distribuídos por três anos:
  1. Dos sete aos onze anos;2.Dos doze aos quinze anos; 3.Dos dezesseis aos vinte anos (a efebia). 
Depois de concluído o período de formação educativa, os cidadãos de Esparta, entre os vinte e os sessenta anos, estavam obrigados a participar na guerra. Continuavam a viver em grupos e deviam tomar uma refeição diária nos chamados syssitia.
Para o historiador italiano Franco Cambi, a educação desenvolvida em Esparta e Atenas constitui dois modelos educativos diferentes. Em Esparta, a perspectiva militar orientava a formação de cidadãos-guerreiros, defensores do Estado. Já em Atenas, predominava um tipo de formação mais livre e aberta, que, de modo mais amplo, valorizava o indivíduo e suas capacidades. (Cf. Franco Cambi. História da pedagogia.) . 
As mulheres recebiam educação quase igual à dos homens, participando dos torneios e atividades desportivas. O objetivo era dotá-las de um corpo forte e saudável para gerar filhos sadios e vigorosos. Consistia na prática do exercício físico ao ar livre, com a música e a dança relegadas para um segundo plano (ao contrário do que tinha sucedido na Época Arcaica). Assim como os homens, também iam aos quartéis quando completavam sete anos de idade para serem educadas e treinadas para a guerra mas dormiam em casa, onde recebiam da mãe aulas de educação sexual, assim que atingiam a chamada menarca (primeira menstruação), começavam a receber aulas práticas de sexo, para gerarem bons cidadãos para o estado, aulas onde se usavam escravos, com coito interrompido para não engravidarem de hilotas (servos) e recebiam também uma educação mais avançada que a dos homens já que seriam elas que trabalhariam e cuidariam da casa enquanto seus maridos estivessem servindo ao exército.
Assim que atingiam a maturidade (entre dezenove e vinte anos) elas pediam a autorização ao estado para casarem, passando por um teste para comprovar sua fertilidade (engravidavam de um escravo que era só para a reprodução, sendo muito bem tratado e alimentado e morto aos 30 anos, pois era considerado velho. O filho que ela tinha com esse escravo era morto e a mulher conseguia sua autorização para casar), caso elas não conseguissem engravidar, era mandada aos quartéis para, assim como os homens, servir ao exército espartano.
A mulher espartana podia ter qualquer homem que quisesse, mesmo sendo casada, já que seus maridos ficavam até os 60 anos de idade servindo ao exército nos quartéis, e podia também requisitar o seu marido ao general do quartel, mas o mesmo não poderia ser feito pelos homens.
Muitos filhos era sinal de vitalidade e força em Esparta, assim, quanto mais filhos a mulher tivesse, mais atraente ela seria, podendo engravidar de qualquer esparciata, mas o filho desta seria considerado filho do seu marido.

fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Esparta ;

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Jeb´s 2010

De 02/12 a 06/12 foi realizado os Jogos Escolares Brasileiros,onde o Estado do Amazonas teve boa participação nas categorias individuais...na modalidade de xadrez o nosso Estado foi representado pelos enxadristas Cristianne Correia e Darler Rebolsas,onde obtiveram campanha regular.de qualquer forma valeu a experiencia obtida pelos jovens enxadristas e que futuramente darão muitos titulos para nosso Estado! Parabéns Cristianne e Darler por sua garra e determinação em todas as partidas!

Obs: as demais fotos do evento estao publicadas no orkut (L30n4rd0 64d3lh4) como todo mundo possui um orkut basta acessar ...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Introdução A Epistemologia da Ciência


 Segundo os autores  Víctor Christian José Quintana Pinedo y Karyn Siebert Pinedo.

Anaximandro (611 a.C. - 545 a.C.)

Nascido em Mileto pouco depois de Tales e, como ele matemático, astrônomo e filósofo, procurou aprofundar a idéia de Tales, de quem era discípulo. Anaximandro interroga-se sobre a questão de unidade do princípio. Mas dá a esta questão uma resposta surpreendente, muito mais satisfatória do que a do mestre: o princípio de todas as coisas, o elemento primordial, não pode ser uma coisa determinada como água, a terra, o fogo ou o ar, porque o que se quer explicar é justamente a origem destas coisas determinadas. O princípio primeiro deve ser alguma coisa indeterminada (apeiron).
Segundo ele, os corpos apareciam e desapareciam Como bolhas nesse material primordial e que nos materiais formados no apeiron havia uma concentração de materiais pesados no centro, provocada por movimento rotacional e, assim, nas extremidades, formavam-se os planetas. Também dizia que ao se formarem, as coisas tinham qualidades contrárias umas das outras: úmido e seco, quente e frio e assim por diante. Anaximandro também contribuiu com a Geometria e a Astronomia.

 Anaxímenes (545 a.C. - ? )
Discípulo de Anaximandro e terceiro célebre filósofo de Mileto, que descartou a possibilidade de existir o apeiron. Para ele, o elemento primordial a partir do qual tudo se criava era o ar, que realizava um movimento constante e poderia se condensar formando uma névoa ou nuvem visível e depois, por condensação, água, que com condensação adicional, transformava-se em terra ou rochas e pedras. Se o elemento primordial fosse perfeito, transformava-se em fogo. Associava ao fogo a quentura e a secura e à matéria sólida a friagem e a umidade.

 Pitágoras (580 a.C. - 500 a.C.)
Pitágoras pertence ao grupo restrito dos grandes mestres da humanidade. Mas esta posição de altíssimo prestígio lhe vem mais das doutrinas ascéticas e religiosas do que das filosóficas, apesar de ter dado a estas uma contribuição decisiva.
Gênio multiforme cultivava ao mesmo tempo a matemática, a geometria, a astronomia, a filosofia, a ascese e a mística. Nenhum de seus escritos foi conservado; temos, porém, muitos testemunhos indiretos a seu respeito. Segundo esses testemunhos, o fundador da escola Pitagórica nasceu em Samos, ainda jovem desejoso de aprender, viajou longe da pátria e se inicio em todos os mistérios gregos e bárbaros. Esteve em Egito, no tempo de Polícrates.
Pitágoras de Samos, foi para o sul da Itália em 532 a.C. para fugir da opressão política e permaneceu em Metapontum, onde fundou uma irmandade com cunho religioso que discutia princípios fundamentais, que influenciaram outros filósofos posteriores como Platão e Aristóteles. Sua doutrina de que:
“o princípio de todas as coisa é o número”.
tomava a aparência superficial das coisas como ilusória: o conhecimento genuíno da natureza das coisas e a apreciação da ordem fundamental do mundo poderia ser obtidos apenas pela compreensão delas em termos aritméticos. Quanto à sua teoria para explicar os fenômenos naturais, Pitágoras supunha que todos os objetos existentes são compostos de forma e não de substância. Deu grande contribuição à Astronomia e principalmente à Matemática. A última escola pitagórica, onde alguns seguidores continuaram seus trabalhos, foi estabelecida em Croton (atual Crotona), no sul da Itália. 

fonte: http://www.eumed.net/libros/2009a/482/Anaximandro Anaximenes Pitagoras

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Pablo Picasso


Pintor espanhol naturalizado francês. Considerado por muitos o maior artista do século 20, era também escultor, artista gráfico e ceramista.
Pablo Picasso, o artista mais famoso e também o mais versátil do século 20, nasceu em Málaga, no sul da Espanha, em 25 de outubro de 1881. O pai era professor de desenho, portanto o óbvio talento de Picasso foi reconhecido desde cedo e, aos quinze anos, tinha já o seu próprio ateliê.
Após um falso início como estudante de arte em Madri e um período de Boêmia em Barcelona, Picasso fez a sua primeira viagem a Paris em outubro de 1900. A cidade continuava a ser a capital artística da Europa e foi lar permanente do artista desde abril de 1904, quando ele se mudou para o prédio apelidado de Bateau-Lavoir (Barco-Lavanderia), em Montmartre, a partir daí o novo centro da arte e da literatura vanguardista.
Durante este período, o trabalho de Picasso foi relativamente convencional, passando de uma Fase Azul melancólica (1901-05) para a Fase Rosa, mais alegre e delicada (1905).

Velho judeu com um menino 1903

Jovem equilibrista sobre a bola 1905
A mudança de estado de espírito pode ter se originado em parte pela sua ligação com Fernande Olivier, seu primeiro grande amor. Na vida de Picasso, as mulheres e a arte estão inexplicavelmente misturadas, o surgimento de uma nova mulher freqüentemente sinalizava uma mudança de direção artística.
Embora os trabalhos de Picasso estivessem começando a ter sucesso comercialmente, ele decidiu abandonar seu estilo "Rosa". Em 1907, inspirado pelas esculturas ibérica e africana, pintou Les Demoiselles d'Avignon, um dos grandes trabalhos liberadores da arte moderna. Divertindo-se com uma nova liberdade pictórica, Picasso, junto com o pintor francês Georges Braque, criou o Cubismo, em que o mundo visível era desconstruído em seus componentes geométricos. Este foi comprovadamente o momento decisivo em que se estabeleceu um dogma fundamental da arte moderna - o de que o trabalho do artista não é cópia nem ilustração do mundo real, mas um acréscimo novo e autônomo. Graças ao Cubismo, a liberdade do artista estendeu-se também aos materiais, de foram que os meios tradicionais como a pintura e a escultura puderam ser suplementados ou substituídos por objetos colados nas telas, ou "montagens" de itens construídos ou "achados".
Ao contrário de alguns contemporâneos seus, Picasso nunca chegou a criar uma arte puramente abstrata. De fato, sua versatilidade o mantinha um salto adiante de seus admiradores, muitos dos quais se surpreenderam quando ele voltou a pintar figuras mais convencionais e depois, no início da década de 1920, desenvolveu um estilo neoclássico monumental. Coincidentemente ou não, em 1918 se casara com a bailarina Olga Koklova, e adotara um estilo de vida exageradamente próspero e respeitável - mas que ele achava cada vez mais aborrecido.
Em 1925, Picasso começou a pintar formas deformadas, violentamente expressivas, que eram em parte uma resposta às suas dificuldades pessoais. A partir desta época, seus trabalhos se tornaram cada vez mais multiformes, empregando - e inventando - uma variedade de estilos como nenhum outro artista havia tentado antes. Foi também um escultor criativo (algumas autoridades o consideram o maior expoente da arte no século 20), e mais tarde dedicou-se à cerâmica com grande entusiasmo. Em qualquer veículo que se expressasse, sempre foi imensamente prolífero, criando em toda a sua vida milhares de obras.

Dance of Youth
No final da década de 1930, quando o impulso criativo de Picasso parecia finalmente estar enfraquecendo, os acontecimentos o levaram a criar o seu quadro mais famoso: Guenica. Esta obra foi uma resposta aos horrores da Guerra Civil Espanhola. o conflito começou em julho de 1936 com um golpe militar liderado pelo General Francisco Franco, representando os elementos fascistas, tradicionalistas e clericais do país, contra a República Espanhola e seu governo eleito da Frente Popular (centro-esquerda).


Guernica 1937

fonte:www.pintoresfamoso.com.br

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Burrhus Frederic Skinner


Hoje conheceremos Burrhus Frederic Skinner um dos maiores ciêntistas da Psicologia moderna Nascido em uma família presbiteriana, teve uma infância bem tradicional.
(Susquehanna, Pensilvânia, 20 de Março de 1904Cambridge, 18 de Agosto de 1990) foi um autor e psicólogo estadunidense. Conduziu trabalhos pioneiros em psicologia experimental e foi o propositor do Behaviorismo Radical, abordagem que busca entender o comportamento em função das inter-relações entre a filogenética, o ambiente (cultura) e a história de vida do indivíduo. A base do trabalho de Skinner refere-se a compreensão do comportamento humano através do comportamento operante (Skinner dizia que o seu interesse era em compreender o comportamento humano e não manipulá-lo).
O trabalho de skinner é o complemento, e o coroamento de uma escola psicológica. Skinner adotava práticas experimentais derivadas de física e outras ciências.
Outros importantes estudos do autor referem-se ao comportamento verbal humano e a aprendizagem.

Ele se formou em inglês, recebeu a chave simbólica da Phi Beta Kappa e manifestou o desejo de tornar-se escritor. Quando criança, tinha escrito poemas e histórias, e, em 1925, num curso de verão sobre redação, o poeta Robert Frost fizera comentários favoráveis sobre seu trabalho.
Durante dois anos depois da formatura, Skinner dedicou-se a escrever. Passou um ano no Greenwich Village, mas acabou se desiludindo com sua falta de habilidade literária. Concluiu que tinha poucas experiências e que lhe faltava uma perspectiva pessoal para escrever.
Essa falta de sucesso como escritor o deixou tão desesperado que pensou em consultar um psiquiatra. Considerou-se um fracasso e estava com sua auto-estima abalada. Também estava desapontado no amor; ao menos uma meia dúzia de jovens havia rejeitado suas investidas, deixando-o com o que ele descreveu como intensa dor física. Skinner ficou tão perturbado que gravou a inicial do nome de uma mulher no braço, onde permaneceu durante anos.
Depois de ler sobre John B. Watson e Ivan Pavlov, decidiu transferir seu interesse literário pelas pessoas para um interesse mais científico. Em 1928, inscreveu-se na pós-graduação de psicologia em Harvard, embora nunca tivesse estudado psicologia antes. Foi para a pós-graduação, disse ele, "não porque fosse um adepto totalmente comprometido da psicologia, mas para fugir de uma alternativa intolerável". Comprometido ou não, doutorou-se três anos mais tarde. Seu tema de dissertação dá um primeiro vislumbre da posição a que ele iria aderir por toda a sua carreira. Sua principal proposição era de que um reflexo não é senão a correlação entre um estímulo e uma resposta. Concluiu o mestrado em 1930 e o doutorado em 1931.
Depois de vários pós-doutorados, Skinner foi dar aulas na Universidade de Minnesota (1936–45), nessa época casou-se com Yvonne Blue, com quem teve dois filhos, e na Universidade de Indiana (1945–47). Em 1947, voltou a Harvard. Seu livro de 1938, "O Comportamento dos Organismos", descreve os pontos essenciais de seu sistema inicial. Seu livro de 1953, "Ciência e Comportamento Humano", é tido como um manual básico da sua psicologia comportamentalista.Skinner manteve-se produtivo até a morte, aos oitenta e seis anos, trabalhando até o fim com a mesma determinação com que começara uns sessenta anos antes. Em seus últimos anos de vida, ele construiu, no porão de sua casa, sua própria "caixa de Skinner" – um ambiente controlado que propiciava reforço positivo. Ele dormia ali num tanque plástico amarelo, de tamanho apenas suficiente para conter um colchão, algumas prateleiras de livros e um pequeno televisor. Ia dormir toda noite às dez, acordava três horas depois, trabalhava por uma hora, dormia mais três horas e despertava às cinco da manhã para trabalhar mais três horas. Então, ia para o gabinete da universidade para trabalhar mais, e toda tarde retemperava as forças ouvindo música.
Aos sessenta e oito anos, escreveu um artigo intitulado "Auto-Administração Intelectual na Velhice", citando suas próprias experiências como estudo de caso. Ele mostrava que é necessário que o cérebro trabalhe menos horas a cada dia, com períodos de descanso entre picos de esforço, para a pessoa lidar com a memória que começa a falhar e com a redução das capacidades intelectuais na velhice. Doente terminal com leucemia, apresentou uma comunicação na convenção de 1990 da APA, em Boston, apenas oito dias antes de morrer; nela, ele atacava a psicologia cognitiva.
Sem nenhuma dúvida, Skinner foi um dos mais influentes psicólogos do século XX, ou seja, da psicologia científica moderna. Estabeleceu as bases metodológicas para o estudo científico do comportamento de organismos não humanos, em laboratório, sem perder de vista o comportamento humano, seja ele simples ou complexo, do indivíduo só ou em grupo, enfim, de todas as possibilidades da ação humana. Skinner desenvolveu também instrumentos básicos para o estudo sistemático das relações comportamentais do organismo com o seu meio ambiente. Nesse sentido, uma metodologia foi desenvolvida e denominada de Análise Experimental do Comportamento. O ambiente experimental para as pesquisas de laboratório foi por ele, habilidosamente, construído e denominado de câmara de condicionamento operante (também conhecida por caixa de Skinner). Do instrumental criado e construído por Skinner, o mais genial, além da câmara operante, foi o registro cumulativo (cumulative recorder), que permite um registro minucioso do comportamento em tempo real, que pode ser mensurado pela taxa de respostas. O modelo experimental de Skinner foi inovador em vários aspectos aos até então utilizados pela psicologia experimental. Skinner introduziu a análise do sujeito como seu próprio controle; as contingências de reforço, como instrumentos de análise funcional das relações comportamentais com o meio ambiente e a taxa de respostas como uma medida comportamental importante. Tratou o comportamento como um evento natural, com regularidade e passível de ser estudado cientificamente e, com seu modelo de ciência, estudou o comportamento dos organismos, preocupado principalmente com o comportamento humano, interessado em identificar as variáveis das quais o comportamento é função.
A ciência do comportamento que Skinner propôs não estaria completa se não tivesse uma base filosófica. Para tanto, ele sistematizou as bases epistemológicas e filosóficas dessa ciência sob a denominação de Behaviorismo Radical, que está, principalmente, apresentada no livro About Behaviorism, publicado em 1974. 
Em seu primeiro livro, The Behavior of Organisms - An Experimental Analysis, Skinner claramente distingue o comportamento operante do comportamento respondente, a partir das variáveis controladoras envolvidas nessas duas relações comportamentais e, a partir de então, ele enfatiza as relações funcionais operantes, as quais estão sob o controle das contingências de reforçamento, enquanto as relações funcionais respondentes estão sob o controle de estímulos eliciadores. The Behavior of Organisms foi o primeiro livro utilizado para ensinar os princípios da ciência do comportamento tanto em Minnesota, por Skinner como em Columbia (Columbia University) por Fred Keller e William Schoenfeld. Um livro texto mais didático tornou-se necessário para o ensino da análise do comportamento, e assim nasceu o Principles of Psychology – A Systematic Text in the Science of Behavior, publicado em 1950, por Keller e Schoenfeld, hoje um clássico da Análise do Comportamento. Em 1953, Skinner também publica um livro texto para ser utilizado em disciplina que deveria atender a estudantes de vários cursos na universidade em Harvard, trata-se de Science and Human Behavior, que em 2003 mereceu uma seção comemorativa do cinqüentenário de publicação, no Journal of the Experimental Analysis of Behavior. O livro Science and Human Behavior tem duas partes, uma dedicada à ciência do comportamento humano, com questões filosóficas, metodológicas e conceituais e outra parte dedicada às questões sociais, as agências controladoras de comportamento, como por exemplo, o estado, a igreja, a psicoterapia. Neste livro, Skinner nos mostra a extensão da análise do comportamento às questões complexas do comportamento humano. O conhecimento das variáveis controladoras do comportamento, ou seja, das contingências de reforçamento, nos permite controlar e predizer o comportamento, possibilitando o desenvolvimento de tecnologias comportamentais para estabelecer novas contingências comportamentais em diversos contextos da vida cotidiana.
Skinner foi um cientista que se ocupou de fazer análise funcional do seu comportamento de pesquisar, tornando-se ele próprio sujeito de suas análises, como também, demonstrou que a análise experimental do comportamento versa sobre o comportamento humano. Um exemplo sistemático dessa análise encontra-se no Verbal Behavior. E como cientista, Skinner se preocupou com todos os aspectos que um bom cientista deve se concentrar: produção e divulgação de conhecimento e formação de pesquisadores; empreendimentos científicos, como organização de periódicos, sociedades e entidades científicas; e foi parcimonioso e rigoroso com o método, com os princípios básicos e com a filosofia da ciência que propôs para estudar e compreender o comportamento humano. Foi inovador e muito contribuiu para a Ciência, defendendo a extensão dos métodos científicos ao campo do comportamento humano, que muitas vezes lhe fora negado, devido às práticas seculares de explicação explanatórias e fictícias, desprovidas de características científicas e lógicas. Skinner foi contundente em se opor ao emprego de entidades mentais como variáveis explicativas do comportamento; ao contrário, defendeu que os comportamentos privados, como por exemplo, pensamento, conhecimento, emoções, devessem ser estudados à luz da ciência do comportamento, a partir de uma análise funcional, a qual permite identificar as variáveis das quais esses tipos de comportamento são função e, este procedimento não é diferente do procedimento utilizado para investigar qualquer tipo de relação comportamental que envolva um tipo de comportamento público.
A imensa contribuição de B. F. Skinner à Ciência em Geral, à Psicologia, aos Educadores, à Sociedade e à Cultura é notória e inquestionável. O legado que Skinner nos deixou é notável. A sua profícua obra, de 1930 até 1990 (ano de sua morte), ou seja, 60 anos de produção científica contínua, engloba centenas de de artigos e vários livros publicados e ainda, palestras, conferências, aulas, seminários, formação de pesquisadores, entrevistas, anos de pesquisas em laboratórios, durante os sete dias da semana. Esse legado que herdamos muito tem a contribuir para o desenvolvimento da ciência do comportamento, que tem demonstrado ser um caminho para permitir um futuro melhor do mundo e da humanidade. A ciência do comportamento humano, no modelo de Skinner não é uma ficção aos moldes de Walden II e sim um conjunto de regras e de instrumentos conceituais que permitem mudanças no ambiente e conseqüentemente mudanças no comportamento, a partir de descrições cada vez mais precisas do complexo comportamento humano. Após Skinner, os objetivos da ciência – previsão e controle –, tornaram-se possíveis e realidade aos diversos campos da ação humana.
 fonte:
http://pt.wikipedia.org
http://www.scielo.br/

terça-feira, 16 de novembro de 2010

JUBS 2010

Também nesse ultimo final de semana os enxadristas Renan Reis,Clovis Ely Sousa e Jordan Gomes participaram da fortissima competição universitaria ,onde conseguiram o honrado terceiro lugar!pondo o xadrez Baré dentre os melhores do país!!desejamos parabens ha todos os três enxadristas pela conquista!

Aberto do Brasil Belem PA

ABERTO DO PARÁ 2010 – Belém “Cidade das Mangueiras”

No ultimo fim de semana ocorreu em Belém PA o Aberto do Pará,onde participou uma delegação do Amazonas composta pelos enxadristas Andrey Neves,Antenor Braga,Sérgio Farias Cardoso,Alan Costa,Charles Mafra e o jovem Igor Farias Cardoso...onde Andrey Neves conseguil o terceiro lugar na classificação geral!e os demais enxadristas ficando no grupo intermediario dentre mais de trinta enxadristas inscritos nessa competição!desejamos felicitações á todos os amigos que foram participar nessa luta!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

John Dewey



John Dewey (Burlington, Vermont, 20 de Outubro de 1859 — 1 de Junho de 1952) foi um filósofo e pedagogo norte-americano.

Graduou-se pela Universidade do Vermont em 1879 e exerceu as funções de professor do secundário durante dois anos, tempo em que desenvolveu um profundo interesse por Filosofia. Em Setembro de 1882 deixou o ensino e retornou à universidade para estudar Filosofia, na Universidade Johns Hopkins, onde obteve o doutoramento. Dewey exerceu a função de professor de Filosofia na Universidade de Michigan, onde ensinou a partir de Setembro de 1884. Três anos mais tarde (1887), publicava o seu primeiro livro, Psychology, onde propunha um sistema filosófico que conjugava a estudo científico da psicologia com a filosofia idealista alemã.
Esse livro foi importante para o passo seguinte da carreira de Dewey: o cargo de professor de Filosofia Mental e Moral na Universidade de Minnesota, que assumiu em 1888. Porém, no ano seguinte, após a morte súbita do seu mentor, George Morris, regressou à Universidade de Michigan para se tornar chefe do Departamento de Filosofia. Em 1894, no entanto, saiu de Michigan para a recém-criada Universidade de Chicago onde em breve passava a liderar o departamento de Filosofia e o departamento de Pedagogia, criado por sua sugestão.
No final da década de 1890, Dewey começou a afastar-se da sua anterior visão idealista neo-Hegeliana e a adotar uma nova posição, que veio a ser conhecida mais tarde como pragmatismo.
Depois de problemas graves na política interna do Departamento de Educação da Universidade de Chicago, Dewey abandonou a instituição para se ligar à Universidade de Columbia, em Nova Iorque, onde permaneceu até ao fim da sua carreira no ensino, em 1930. Continuou, no entanto, a ensinar como Professor Emérito até 1939, e continuou a escrever e a intervir socialmente até às vésperas da morte.
Entre suas obras se destacam The School and Society (1899; "A Escola e a Sociedade") e Experience and Education (1938; "Experiência e Educação").
John Dewey é reconhecido como um dos fundadores da escola filosófica de Pragmatismo (juntamente com Charles Sanders Peirce e William James), um pioneiro em psicologia funcional, e representante principal do movimento da educação progressiva norte-americana durante a primeira metade do século XX. Foi também editor, contribuindo na Enciclopédia Unificada de Ciência, um projeto dos positivistas, organizado por Otto Neurath.

Filosofia da Educação

Como se pode ler em Democracy and Education (Democracia e Educação), Dewey tenta sintetizar, criticar e ampliar a filosofia da educação democrática ou proto-democrática contidas em Rousseau e Platão. Via em Rousseau uma visão que se centrava no indivíduo, enquanto Platão acentuava a influência da sociedade na qual o indivíduo se inseria. Dewey contestou esta distinção – e tal como Vygotsky, concebia o conhecimento e o seu desenvolvimento como um processo social- integrando os conceitos de "sociedade" e indivíduo.
Para ele, o indivíduo somente passa a ser um conceito significante quando considerado parte inerente de sua sociedade – enquanto esta nenhum significado possui, se for considerada à parte, longe da participação de seus membros individuais.
Depois, como reconhece na obra posterior Experience and Nature ("Experiência e Natureza"), o empirismo subjetivo da pessoa é quem realmente introduz as novas idéias revolucionárias no conhecimento.
Para Dewey era de vital importância que a educação não se restringisse ao ensino do conhecimento como algo acabado – mas que o saber e habilidade do estudante adquirem possam ser integrados à sua vida como cidadão, pessoa, ser humano. No laboratório-escola que dirigiu junto a sua esposa Alice, na Universidade de Chicago, as crianças bem novas aprendiam conceitos de física e biologia presenciando os processos de preparo do lanche e das refeições, que eram feitos na própria classe.
Este elemento de ensino com a prática cotidiana foi sua grande contribuição para a Escola Filosófica do Pragmatismo.
Mas esta iniciativa fracassou, após três anos, e Dewey viu-se forçado a deixar Chicago. Criou, então, a famosa Lincoln School, em Manhattan (Nova Iorque), que também falhou em pouco tempo.
Sua idéias, embora bastante populares, nunca foram ampla e profundamente integradas nas escolas públicas norte-americanas, embora alguns dos valores e premissas tenham se difundido. Suas idéias de "Educação Progressiva" foram duramente perseguidas no período da Guerra Fria, quando a preocupação dominante era criar e manter uma elite intelectual científica e tecnológica, para fins militares. No período pós-guerra-fria, entretanto, os preceitos da Educação Progressiva têm ressurgido na reforma de muitas escolas, e o sistema teórico de educação tem suas pesquisas evoluído.

Educação Progressiva

A ideia básica do pensamento de John Dewey sobre a educação está centrada no desenvolvimento da capacidade de raciocínio e espírito crítico do aluno. Enquanto suas idéias gozam de grande popularidade durante sua vida e postumamente, sua adequação à prática sempre foi problemática. Seus escritos são de difícil leitura – ele tem uma tendência para utilizar termos novos e frases complexas fazem com que seja extremamente mal entendido, forçando reinterpretações dos textos. Apesar de permanecer como um dos intelectuais norte-americanos mais conhecidos, o público não conhece o seu pensamento. Por causa disto, muitos pensavam seguir uma linha Deweyana, quando na verdade estavam longe disto. O próprio Dewey tentou frear alguns entusiastas, sem muito sucesso.
Ao mesmo tempo, outras idéias e propostas de Educação Progressiva foram surgindo, boa parte delas influenciada por Dewey – mas não necessariamente derivadas das suas teorias – tornaram-se igualmente populares, umas mais ou menos aplicáveis na prática, outras contraditórias, como registram historiadores, a exemplo de Herbert Kliebard.
Freqüentemente diz-se que a Educação Progressiva fracassou, mas isto depende do que as pessoas entendem por "evolução" e "fracasso". Muitas formas de educação progressiva tiveram sucesso, transformaram a paisagem educacional: a quase onipresença dos serviços de orientação ou aconselhamento, para citar-se um exemplo, é fruto das idéias progressivas. Derivações radicais do progressivismo educacional quase nunca foram testadas, e quando o foram não tiveram vida longa.

Principais Obras

Além de publicar proliferamente, Dewey também fez parte do corpo editorial de revistas tais como Sociometry (1942) e Journal of Social Psychology (1942), além de ter publicado em outras revistas, tais como New Leader (editor contribuinte, 1949).
As seguintes referências, longe de englobarem todas as publicações de Dewey, são apenas algumas de suas principais e mais conhecidas obras.
  • The New Psychology, In: Andover Review, 2, 278-289 (1884) [1]
  • Psychology (1887)
  • Leibniz's New Essays Concerning the Human Understanding (1888)
  • The Ego as Cause, In: Philosophical Review, 3,337-341. (1894) [2]
  • Interest and Effort in Education (1913)
    • Traduzido para o português por Anísio Teixeira sob o título de “Interesse e Esforço” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).
  • The Reflex Arc Concept in Psychology (1896) [3]
  • My Pedagogic Creed (1897)
    • Traduzido para o português sob o título de “Meu credo pedagógico” (In: D'Ávila, Antônio. Pedagogia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1954).
  • The School and Society (1900)
  • The Child and the Curriculum (1902) [4]
    • Traduzido para o português por Anísio Teixeira sob o título de “A Criança e o Programa Escolar” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).
  • The Postulate of Immediate Empiricism (1905) [5]
  • Moral Principles in Education (1909) Project Gutenberg
  • How We Think (1910) [6]
    • Traduzido para o português com o título de “Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição.” (Companhia Editora Nacional, 1959).
  • Democracy and Education: an introduction to the philosophy of education (1916) [7]
    • Traduzido para o português sob o título de “Democracia e educação: capítulos essenciais” (Ática, 2007).
    • Traduzido para o espanhol sob o título de “Democracia y educacion: una introduccion a la filosofia de la educacion.” (Morata, 1995).
  • Reconstruction in Philosophy (1919) [8]
    • Traduzido para o português por António Pinto de Carvalho sob o título de “Reconstrução em Filosofia” (Companhia Editora Nacional, 1959).
  • Human Nature and Conduct: An Introduction to Social Psychology
    • Traduzido para o português sob o título de “A natureza humana e a conduta (introdução à psicologia social)” (Brasil, 1956).
  • Experience and Nature (1925) [9]
    • Traduzido para o português por Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme sob o título de “Experiência e Natureza” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).
  • The Public and its Problems (1927)
    • Traduzido para o espanhol sob o título de “La opinión pública y sus problemas” (Morata, 2004)
  • The Quest for Certainty (1929)
    • Traduzido para o espanhol sob o título de “La busca de la certeza: um estudio de la relación entre el conocimiento y la acción” (Fondo de Cultura Econômica, 1952).
  • The Sources of a Science of Education (1929)
    • Traduzido para o espanhol sob o título de “La ciencia de la educación” (Losada, 1951).
  • Individualism Old and New (1930) [10]
  • Philosophy and Civilization (1931)
  • Ethics, segunda edição (com James Hayden Tufts) (1932)
  • Art as Experience (1934) [11]
    • Traduzido para o português por Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme sob o título de “A arte como experiência” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).
  • A Common Faith (1934)
  • Liberalism and Social Action (1935)
    • Traduzido para o espanhol sob o título de “Liberalismo y Acción Social” (In: Liberalismo y Acción Social y otros ensayos. Valência: Alfons El Magnànim, 1996)
  • Experience and Education (1938)
    • Traduzido para o português por Anísio Teixeira sob o título de “Experiência e Educação” (Companhia Editora Nacional, 1971).
  • Logic: The Theory of Inquiry (1938)
    • Traduzido para o português por Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme sob o título de “Lógica - a teoria da investigação” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).
  • Freedom and Culture (1939)
    • Traduzido para o português sob o título de “Liberdade e cultura” (Revista Branca, 1953).
  • The Living Thoughts of Thomas Jefferson (1940)
    • Traduzido para o português por Lêda Boechat Rodrigues sob o título de “O Pensamento Vivo de Jefferson” (Livraria Martins Editora, 1954).
  • Knowing and the Known (1949) (com Arthur Bentley) Cópia completa em pdf disponibilizada pelo American Institute for Economic Research
  • Theory of Moral Life (1960)
    • Traduzido para o português por Leônidas Contijo de Carvalho sob o título de “Teoria da vida moral” (In: Os Pensadores, Abril Cultural, 1980).

 fonte :Wikipédia...enciclopédia livre.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

CAMPEONATO AMAZONENSE ABSOLUTO DE XADREZ 2010



Depois de um triangular cansativo de seis rodadas teve fim o Campeonato Amazonense Absoluto de Xadrez com Renan Reis sagrandosse Tri-Campeão Amazonense.Como hávia dito anteriormente Andrey Neves decidiu o certame Vencendo Leonardo Gadelha que ariscousse em uma linha nova e pouco analisada,onde conseguil vantagem excelente,mas cometeu uma imprecisão tatica caíndo em desvantagem total em favor de Andrey ....outro aspecto que ocorreu nesse Campeonato foi que tudo indica que aparti desse momento o Xadrez Amazonense entra em uma nova fase com á melhora de todos os enxadristas em termos teoricos e na execusão de  belas partidas..e também o fato de Renan não ter conseguido vencer alguns de seus oponentes dependendo de terceiros para obter o Titulo....de qualquer forma Venceu quem tinha obrigação de vence!parabens ha todos...

Classificação:

Campeão               Reis,Renan            3 pontos
Vice-Campeão       Da Paz,Leonardo  2 pontos
Terceiro colocado  Neves ,Andrey      1 ponto

.

Rodadas:

1a. rodada: 23/10 (sábado)     16:00h. Renan Reis 0 x 1 Leonardo Gadelha
2a. rodada: 24/10 (domingo)   15:00h. Andrey Neves 0 x 1 Renan Reis
3a. rodada: 06/11 (sábado)     16:00h. Leonardo Gadelha 1 x 0 Andrey Neves
4a. rodada: 07/11 (domingo)   15:00h. Leonardo Gadelha 0 x 1 Renan Reis
5a. rodada: 20/11 (sábado)     16:00h. Renan Reis 1 x 0 Andrey Neves
6a. rodada: 21/11 (domingo)   15:00h. Andrey Neves 1 x 0 Leonardo Gadelha

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Campeonato Amazonense Absoluto de Xadrez 2010


Sabado  23/10/2010 teve inicio o triângular desempate do Campeonato Amazonense absoluto de Xadrez 2010
,ao qual foram iniciadas duas rodadas....tendo como resultado o seguinte:

1a. rodada: 23/10 (sábado)     16:00h. Renan Reis 0 x 1 Leonardo Gadelha
2a. rodada: 24/10 (domingo)   15:00h. Andrey Neves 0 x 1 Renan Reis
3a. rodada: 06/11 (sábado)     16:00h. Leonardo Gadelha x Andrey Neves
4a. rodada: 07/11 (domingo)   15:00h. Leonardo Gadelha x Renan Reis
5a. rodada: 20/11 (sábado)     16:00h. Renan Reis x Andrey Neves
6a. rodada: 21/11 (domingo)   15:00h. Andrey Neves x Leonardo Gadelha

Obs: As partidas do triângular serão postadas neste site no final da competição caso a Federação Amazonense de Xadrez Permita...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Campeonato Amazonense Absoluto de Xadrez 2010

No ultimo Domingo findousse a Final do Campeonato Amazonense absoluto de Xadrez 2010 tendo empatados em primeiro lugar com 8,5 pontos os enxadrsitas Andrey Neves,Renan Reis e Leonardo Gadelha;Renan Reis,Leonardo Gadelha e Andrey Neves ou Leonardo Gadelha,Andrey Neves e Renan Reis,ao qual devem cumprir o regulamento da competição jogando um torneio triângular de quatro(4) partidas pensadas em ritmo de duas(2) horas K.O a iniciar-se no dia 23/10/2010 sabado próximo.O enxadrista Leonardo Gadelha conseguil uma vaga para participar da Semifinal do Campeonato Brasileiro de Xadrez á ser realizado em Recife juntamente com Andrey Neves ,Renan Reis e Pedro Moraes que já estavam classificados!tirando Andrey Neves e Pedro Moraes.... os enxadristas Renan Reis e Leonardo Gadelha necessitam de algúm patrocinador referente as passagens aéreas ou quem sabe na ajuda de custo para hospedagem...antes da data da semifinal do Brasileiro....coisa que em nosso país acontece com as modalidades esportivas....

datas e horario oficial das Rodadas:

1a. rodada: 23/10 (sábado)     16:00h. Renan Reis x Leonardo Gadelha
2a. rodada: 24/10 (domingo)   15:00h. Andrey Neves x Renan Reis
3a. rodada: 06/11 (sábado)     16:00h. Leonardo Gadelha x Andrey Neves
4a. rodada: 07/11 (domingo)   15:00h. Leonardo Gadelha x Renan Reis
5a. rodada: 20/11 (sábado)     16:00h. Renan Reis x Andrey Neves 
6a. rodada: 21/11 (domingo)   15:00h. Andrey Neves x Leonardo Gadelha


obs:as datas foram alteradas ,devido ao enxadrista Renan Reis por motivo de trabalho não poder jogar as sextas feiras.....

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Gary Kasparov (1963)

Nascido em 13 de abril de 1963 em Baku, Azerbaijão - URSS.
Kasparov aos dez e onze anos já demonstrava dotes incomuns, dono de um estilo agressivo, ia derrotando seus adversários com muita técnica e perfeição. Kasparov estudou xadrez na famosa "escola de Botvinnik", aos onze anos, obteve um resultado excelente contra os principais grandes mestres soviéticos numa simultânea com relógio e deu trabalho a Karpov e Kortchnoi. Então sucedeu-se um relativo retrocesso: ele competiu duas vezes, aos treze e quatorze anos, no Campeonato Mundial de Juniores, sem vencê-lo. Por algumas vezes se ouvia falar no fenômeno Kasparov, seus resultados até então não eram de tanta significância. Mas, suas conquistas de 1978 trouxeram a resposta. Primeiro, Kasparov venceu um forte torneio soviético de convidados, o Sokolsky Memorial; depois, venceu um torneio suíço de 64 competidores, entre mestres e grandes mestres, o que o qualificou diretamente para a final do Campeonato Soviético. Sua estréia causou um rebuliço internacional: obteve 50% dos pontos possíveis e derrotou o candidato ao título mundial, Polugaievsky, com um criativo sacrifício de bispo! Como resultado desse sucesso, a Federação de Xadrez da URSS enviou-o a um forte torneio de grandes mestres em Banja Luka Iugoslávia, no verão de 1979, onde com exceção do campeão local - ele era o único não classificado como grande mestre.

A contagem de Kasparov em Banja Luka superou até as conquistas precoces de Spásski e Fischer. Ele liderou desde o início, e atingindo a marca de mestre internacional com cinco rodadas de folga e conquistou o título de grande mestre antes do final. As marcas principais nesse evento histórico foram: Kasparov (URSS) 11,5 em 15 pontos possíveis; Smejkal (Checoslováquia) e Anderson (Suécia) 9,5, Petrossian (URSS) 9,0. No verão de 1980, Kasparov venceu em Baku e tornou-se o grande mestre mais jovem do mundo. Quando Kasparov ainda era desconhecido, seu mentor Botvinnik declarou: "O futuro do xadrez está nas mãos deste garoto". A previsão de Botvinnik e Leonard Barden, de que Kasparov seria campeão mundial em 1990, fizeram rir os especialistas, o que mudou depois de Banja Luka. Kasparov, enquanto isso, manteve os pés no chão. Admitiu que sonhava com o título mundial, mas, seguindo a tradição de autocrítica de Botvinnik, afirmou que considerava pontos fracos sua defesa e seu jogo em posições simples. Botvinnik comentou que, mesmo aos dez anos, ele se impressionara com, a habilidade de Kasparov em visualizar rapidamente um grande número de variantes complexas. Quais são os segredos técnicos de Kasparov? Variações das linhas em aberturas é uma de suas características: no Campeonato Soviético e em Banja Luka, ele abriu vitoriosamente com e4, d4 e c4. Poucos anos depois, Botvinnik criticou enxadristas do mundo todo, principalmente os mais jovens, por se interessarem apenas por partidas práticas e não pelo levantamento caseiro de novas idéias e por escrever análises para as revistas de xadrez. Após cada vitória de Kasparov, o jornal 64 publicava a partida, seguida de profundas observações de autocrítica feitas pelo jovem mestre.

Parece claro que Kasparov não teme adotar linhas cruciais em aberturas excessivamente analisadas. Quando ele o faz, costuma revelar evidências de seu próprio trabalho caseiro. Se a partida se torna uma confusão tática, ele consegue abrir caminho entre as complicações e descobrir uma linha que dê maiores dificuldades para seu adversário. Kasparov também superou o recorde histórico de Fischer ao estabelecer a maior marca de rating FIDE dos ultimos tempos ao qual chegou a ser de 2852 pontos. Devido a uma discussão com o presidente da Federação Internacional de Xadrez (FIDE), Kasparov perdeu o título para seu rival Anatoly Karpov, atualmente é técnico do atual número um(1)do mundo no ranting FIDE Magnus Carlsen e apoia a candidatura de seu ex rival de tabuleiro e amigo acima de tudo Anatoly Karpov pela Presidência da FIDE. 

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Regional Norte de Xadrez 2010

No ultimo feriadão! ocorreu no auditório da Vila Olimpica de Manaus o Regional Norte de Xadrez  ao qual classifica dois(2) enxadristas para á semi-final do Campeonato Brasileiro absoluto de Xadrez 2010,com participação de mais de trinta(30) enxadristas.Ao qual segrousse vencedor pela quinta vez o Amazonense Andrey  Nevez com 6,0 pontos sendo vice o enxadrista de Roraima Jânio Ribeiro também com 6,0 pontos(sendo o unico a vencer Andrey)e em terceiro Renan Reis com 5,5.... .

Classificação Final

Place Name                                Feder Rtg  Loc  Score M-Buch. Buch. Progr. Berg.

 1-2  Souza Neves, Andrey M.                    2088      6        22.0  31.0   27.0 25.50
      Ribeiro lopes, Jânio                           1946 6        20.5  29.5   22.0 26.50
 3-4  do Carmo Reis, Renan                      2245      5.5      23.5  33.0   24.0 25.25
      Mousse, Sebastião Alberto                      2124 5.5      21.5  30.0   23.5 22.25
 5-8  dos santos Lima, Endson                        1926 5        22.5  31.5   22.5 17.50
      Benayon, Elismar                               1877 5        21.5  30.5   20.0 14.00
      Salviano de Macedo, Levy                       1949 5        21.0  28.0   21.5 18.25
      Gadelha da Paz, Leonardo                       2035 5        19.5  27.0   19.5 14.75
9-15  Soto Gutierrez, Enrique Alberto                     4.5      21.0  30.0   20.5 10.75
      Iwanon, Mikhael                                1967 4.5      20.5  29.0   21.0 17.75
      Souza Alencar de  Oliveir, Leonardo            1972 4.5      20.0  29.0   20.5 15.75
      de Assis Sales, Gerson                         2104 4.5      20.0  26.0   18.0 12.25
      Costa, Alan                                    1930 4.5      19.5  28.0   18.5 11.25
      Pessoa, Hudson Anselmo                         1881 4.5      18.0  25.0   17.0 10.75
      Rodrigues Gomes, Jordan                        1936 4.5      17.0  24.0   17.5 14.75
16-20 Gomes dos Santos, Gabriel                      1842 4        19.5  26.0   17.0 13.50
      Ribeiro da Rocha, Allyne                       1879 4        17.5  24.5   17.0  7.50
      dos santos Lima, Emerson                       1858 4        16.5  24.0   15.0 11.00
      Borge Cardoso Farias, Igor                     1837 4        16.5  24.0   15.0 11.00
      Soares Silveira, Lucas Smith                   1768 4        14.5  22.0   12.0  6.00
21-26 de Moraes Pinto, Pedro Jorge              2171      3.5      21.0  29.5   19.0 13.50
      Cincinato, Thalita                        2015      3.5      19.5  27.0   18.0 12.75
      Cardoso farias, Sérgio                         1855 3.5      18.5  24.5   16.0 10.50
      de Souza Lelis, Maria Cecília                  1815 3.5      15.0  22.0   11.0  9.25
      Ramos Marialves, Lonnyane                      1775 3.5      15.0  20.5   12.0  7.25
      de Oliveira, Larissa Pessoa                    1760 3.5      11.5  16.5    9.0  6.75
27-33 de Oliveira Freitas, Reinier Alex              1817 3        20.0  27.5   16.0 11.00
      Felicio da Silva Araújo, Wilson                1753 3        19.5  26.5   14.0  5.50
      Moura Gouvea, Augusto Cesar                    1793 3        19.0  26.5   13.0 10.00
      Barros, josé Claide T.                         1802 3        19.0  26.0   13.0  6.00
      Barroso  Santos Neto, Rui                           3        18.5  25.5   14.0  8.00
      Passos Monteiro, Yan                           1787 3        17.5  25.0   12.0  6.50
      Brito de Souza, Brenda Beatriz                 1770 3        13.5  19.0    9.0  5.50
34-37 Soares Teixeira, Caio                          1775 2.5      17.5  23.5   11.5  5.75
      Soares Silveira, Lorensen Willer               1845 2.5      15.5  20.5   10.5  6.25
      Correa da Silva, Alexsandra                    1708 2.5      15.0  20.5    8.0  5.75
      Silva Rocha, Suzany                            1750 2.5      10.5  15.5    7.0  4.00
38-43 Nóbrega da Silva, Leandro                      1835 2        18.0  23.5   10.0  1.00
      Passos Monteiro, Yama Talita                        2        16.5  22.5    6.0  2.00
      de Souza Carvalho, Douglas Rafael                   2        15.0  21.0    4.0  2.25
      da Silva Lima, Ramon Gabriel                        2        13.5  18.5    7.5  4.75
      de Assis Mourão, Francisco                     1745 2        12.0  17.0    6.0  2.50
      Souza, Lael Alexandre                          1810 2        10.5  15.0    5.0  3.00
 44   Nunes da Silva, Natanael                       1750 1.5      13.5  19.0    6.5  1.00
45-46 Mendes de Souza, Celiny                             1        14.0  19.0    3.0  0.00
      Simões Barbosa, Jonas Gabriel                  1783 1         3.5  10.5    2.0  2.50
47-49 de Lima Neto, Marcos Francisco                 1782 0         4.5   4.5    0.0  0.00
      Said de Lma, Marcos Vinícius                   1755 0         4.5   4.5    0.0  0.00
      Izidorro Ramos, Felipe                         1760 0         4.0   4.0    0.0  0.00

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Anatoly Karpov

(1951 - ) Anatoly Karpov



Biografia:
Nasceu em Zlatoust na formação da União Soviética. Ele ganhou o título da Fide duas vezes por ausência: em 1975 quando Fischer se recusou a jogar e em 1993 quando Kasparov formou a Associação Profissional dos Enxadristas (PCA). Karpov era o querido de Kremlin e suas 2 defesas títulos contra o desertor soviético Korchnoi em 1978 e 1981 foi estragado pelo fato de que os desafiantes familiares foram segurados de refém dentro da União Soviética. Uma maratona de "matches" com Kasparov em 1984 estava parado pela FIDE depois de 48 jogos e quase seis meses quando um exausto Karpov estava liderando por dois pontos. Ele perdeu o título para Kasparov em 1985 e falhou em pegar o título de volta apesar de três mais "matches" culminando em 1990. Karpov reganhou a coroa da FIDE contra Timman em 1993, Kamsky em 1996 e Anand em 1998. Ele era o mais ativo campeão na história e ganhou mais primeiros lugares em eventos principais (uns 150) do que qualquer outro grande jogador.

Estilo:
Um estilo muito parecido com Petrosian -- mas muito mais agressivo -- Karpov jogava xadrez preciso e posicional sem tomando muitos riscos ou fazendo posições muito enganosas. Ele procurava pequeno mas persistia avançando lentamente na abertura e então reduzia seu oponente a pó. Com as brancas ele contava primeiramente em 1. e4 e Atualmente aberturas cerradas! e com as pretas ele contava com a Caro-Kann e Defesa India do Rei.

Uma Partida analisada pelo próprio Karpov para se ter uma idéia de sua força:

[Event "Mem. Alekhine - Moscou"]
[Site "?"]
[Date "1971.??.??"]
[Round "?"]
[White "Karpov, A."]
[Black "Hort, V."]
[Result "1-0"]
[ECO "B20"]
[Annotator "Anatoli Karpov"]

1. e4 c5 2. Nf3 d6 3. d4 cxd4 4. Nxd4 Nf6 5. Nc3 e6 6. g4

{O Ataque Keres foi
minha arma favorita contra a Variante Scheveningen nos anos setenta e oitenta. Esta vitória e, provavelmente, uma das mais claras que consegui com esta variante, apesar de já haver transcorrido quase um quarto de século.}

6... Nc6
{E interessante recordar que usei o Ataque Keres na primeira partida de minha larga maratona contra Kasparov (Moscou, 1984/85). E certo que não voltamos a joga-lo, exceto em uma forma modificada na 14a partida de nosso segundo match, quando escolhi uma ordem de jogada não habitual: 2...e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cc6 5.Cc3 d6 6.g4!?, não esperando, então, que o cavalo se desenvolvesse por f6. Após uma longa batalha, a discussão finalizou pacificamente. Na primeira
partida de nosso primeiro match, Kasparov escolheu 6...h6 em lugar de Nc6, uma
continuação que se fez mais popular nos anos seguintes.} (6... a6 {
Esta e uma terceira possibilidade. Depois de...} 7. h4 Nc6 8. Rg1 8... h5 $5 9.
gxh5 Nxh5 10. Bg5 Nf6 11. Qd2 {
consegui melhores chances, porem a partida também terminou em empate.}) 7. g5
Nd7 8. f4 (8. Be3 8... a6 {outras linhas populares são 8...Cb6 e 8...Be7} 9. h4
{A teoria também estudou minuciosamente 9.a4, 9.Dd2 e 9.Tg1}) (8. Ndb5 Nb6 9.
Bf4 Ne5 10. Qh5 {era também jogado na época. Agora} 10... Ng6 $1 (10... g6 {
Depois de 10...g6 segue...} 11. Qh3 Bd7 12. O-O-O Qb8 13. Qg3 {
as negras estão indefesas.}) 11. Bg3 (11. Bxd6 Bxd6 12. Rd1 {
não funciona, já que com a serena} 12... O-O 13. Nxd6 13... Qe7 $1 {
com iniciativa negra em troca do peão.}) 11... a6 12. Nd4 Be7 (12... d5 $1 {
também e interessante.}) 13. O-O-O Bxg5+ 14. Kb1 14... O-O {
a posição e confusa.}) 8... a6 9. Be3 Be7 (9... h6 $2 {e muito arriscado.} 10.
Nxe6 $1 10... fxe6 11. Qh5+ Ke7 12. Bc4 Qe8 13. Qh3) (9... Qc7 {merece atenção.
}) 10. Rg1 (10. Qd2 Nxd4 11. Bxd4 e5 12. Be3 exf4 13. Bxf4 Ne5 14. O-O-O Be6
15. h4 Qa5 16. a3 Rc8 17. Nd5 {
conduziu a um jogo equilibrado na partida Tarjan - Hulak, Indonésia, 1983.})
10... Nxd4 {As negras, geralmente, não se apressam em realizar esta troca,
porem nesta posição não lhes resultava fácil encontrar outra jogada: 10...Dc7
parece muito passivo. Decidir-se por O-O não e fácil quando a falange de peões está tão avançada.} (10... Nc5 11. Nxc6 bxc6 12. Bxc5 {
concederia as brancas clara vantagem.}) 11. Qxd4 e5 12. Qd2 exf4 13. Bxf4 Ne5 ( 13... Qb6 14. Rg3 Qxb2 15. Rb1 Qa3 16. Nd5 {e, obviamente, mau para as negras.} ) 14. Be2 14... Be6 { As negras não poderiam conseguir nenhuma atividade com 14...Da5} (14... Qa5 {já que o final resultante e claramente favorável ao lado branco.} 15. Nd5 Qxd2+ 16. Kxd2 Bd8 17. Rad1 Be6 18. Kc1) 15. Nd5 {Imediatamente! De outro modo a dama negra poderia conseguir uma posição ativa. Por exemplo:} (15. O-O-O 15... Qa5 $1) 15... Bxd5 16. exd5 {Como regra geral, ha que tratar de ocupar uma casa de bloqueio com uma peça e, neste caso, 16.Dxd5 também me concederia vantagem, já que o ponto d6 requer constante defesa por parte das negras.
Porém, por outro lado, também meu peão de e4 necessitaria de atenção em alguns casos, o que se traduziria em uma possível restrição de meu bispo de casas brancas. Agora, em troca, este bispo pode atuar livremente, sobretudo tendo em conta que seu oponente já não se encontra sobre o tabuleiro.} 16... Ng6 { A posição negra e muito inferior, pelo que Hort busca um remédio tático para seus problemas. O roque em qualquer dos flancos condenaria as negras a uma defesa passiva.} 17. Be3 17... h6 $5 {É difícil qualificar com um símbolo uma jogada como a textual. Neste caso, demonstra um espírito de luta e um desejo de levar a cabo uma batalha no terreno tático. Porém, também significa uma avaliação precisa da posição, com um entendimento claro de suas desvantagens.

Em resumo: uma jogada arriscada para ambos os lados!} 18. gxh6 Bh4+ 19. Kd1 { Ao rei branco não importa haver perdido o direito de rocar. Ao mesmo tempo, o rei negro mantém essa possibilidade até o final da partida, porém não pode chegar a fazer uso dela.} 19... gxh6 20. Bxh6 20... Bf6 {20...Df6 provavelmente não seria satisfatório para as negras, tendo em vista que restringe a
mobilidade do bispo negro. Hort buscava um reagrupamento ideal de seus
efetivos, porém no xadrez ha dois lados e, agora que me tocava jogar, tomei as medidas adequadas.} 21. c3 21... Be5 {As negras parecem haver conseguido seu objetivo: ameaçam jogar 22...Dh4. Mas as brancas encontram um movimento muito forte.} 22. Rg4 $1 {O peão de h2 não molesta ninguém (no momento!). Agora a questão essencial e não permitir a dama inimiga sua entrada no flanco do rei, onde minhas peças estão precariamente situadas.} (22. Bg5 Qb6 23. Be3 23... Qc7 {minhas conquistas não seriam importantes.}) 22... Qf6 {22...Bxh2 seria melhor, restaurando o equilíbrio material. Porém posso entender meu oponente: queria desenvolver-se.} 23. h4 $1 23... Qf5 { Defendendo-se da ameaça 24.h5, as negras preparam o roque grande.} (23... Nxh4 {22...Cxh4 já não serve devido a} 24. Bg7 {Em geral, resultaria difícil para as negras recuperar este, até há pouco, tão indefeso peão, que gradualmente vai adquirindo forca.}) (23... O-O-O { Tampouco era possível 23...O-O-O em vista de} 24. Bg5) 24. Rb4 $1 {
Uma bonita posição para a torre. Em qualquer caso, b7 esta ameaçado.} 24... Bf6 (24... O-O-O {Não é possível 24...O-O-O devido a} 25. Bg4) 25. h5 25... Ne7 {Está retirada e menos valente que 25...Ce5, porém, neste caso, as peças negras não teriam realmente perspectivas de atividade depois de 26.Tf4. Talvez devesse precisar que durante todo este tempo não era possível para as negras sacrificar a qualidade com ...Txh6.} 26. Rf4 Qe5 27. Rf3 {A torre, que tão freqüentemente carece de agilidade, demonstra nesta posição uma tremenda capacidade de manobra. Cria uma ameaça apos outra e resulta incrivelmente produtiva, não só no ataque como na defesa.} 27... Nxd5 (27... Qxh5 { Não resultaria em nada. Por exemplo...} 28. Rxf6 Qh1+ 29. Bf1 {
a torre defende ambos os bispos.} 29... Ng8 30. Qe1+ {e as brancas ganham.}) 28. Rd3 28... Rxh6 {Aparentemente, não ha nada melhor.} (28... Ne7 29. Bf4 {e decisivo.}) 29. Rxd5 29... Qe4 { Poderia se dizer que as negras resolveram todos os seus problemas, porem...} 30. Rd3 {Um hino a torre! A consciência do jogador de xadrez leva em
consideração a capacidade operativa de todas suas peças, porém o leitor estará de acordo comigo em que, no que diz respeito a torre, normalmente se lhe associa ao final.} 30... Qh1+ { As negras estão obrigadas a realizar esta troca, nada equivalente.} 31. Kc2 Qxa1 32. Qxh6 Be5 33. Qg5 {"Impedindo o roque grande, enquanto cria ameaças imparáveis sobre o exposto rei negro. Nesta desesperada posição, Hort perdeu por tempo. A partida recebeu o prêmio de melhor partida do Memorial Alekhine e o Informador a incluiu dentre as melhores partidas. Ainda que tenha se passado muitos anos, confesso que continua me agradando." Esta partida foi extraída do livro "ANATOLI KARPOV - Mis mejores partidas; Editorial Paidotribo". O livro contém 43 partidas escolhidas e comentadas por Anatoli Karpov. Todos os comentários e variantes originais do livro foram mantidos. 1-0

atualmente Karpov  não participa mais em torneios e dedicasse agora pela parte politica relacionada á presidência da FIDE...com intenções de ser eleito Presidênte da Fide apoiado pelo amigo Garry Kasparov e o atual Campeão Mundial Anand e o enxadrista número um(1) Carlsen.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

TUDO IGUAL



Faltando apenas duas rodadas para o fim do Campeonato Amazonense de Xadrez 2010! Andrey Neves , Renan Reis e Leonardo Gadelha lideram com 6,5 em primeiro,seguidos por Roberto Rocha 5,5 ( uma partida á menos) e Alberto Mousse e Hudson Pessoa ambos com 5.0 pontos..também o enxadrista Mikael Iwanon encontrasse com 3.0 pontos mais possui quatro partidas ainda por jogar!!ou seja qualquer um desses pode ser o Campeão!ou será que teremos um desempate com 3,4,6 enxadristas?...somente após às duas ultimas rodadas é que teremos essa resposta !!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Botvinnik
Botvinnik (1927).jpg
Nome completo Mikhail Moiseyevich Botvinnik
País Flag of the Soviet Union.svg URSS /  Rússia
Nascimento 17 de agosto de 1911
Kuokkala (hoje Repino), 


Campeão Mundial 1948-1963

Carreira

Mikhail Botvinnik (em russo Михаи́л Моисе́евич Ботви́нник), nasceu no Grão-ducado da Finlândia, então parte do Império Russo na localidade de Kuokkala, hoje chamada Repino, no Leningrado. Apareceram notícias suas no mundo do xadrez quando tinha apenas catorze anos e derrotou o campeão mundial, José Raul Capablanca em uma simultânea.
Progredindo de forma rápida, aos vinte anos de idade já Botvinnik era um mestre soviético de mérito firmado, tendo vencido pela primeira vez o Campeonato Soviético em 1931. Este feito repetiu-se nos anos de 1933, 1939, 1941, 1945 e 1952.
Aos 24 anos, Mikhail Botvinnik competia de igual para igual com a elite mundial, acumulando sucessos em torneios internacionais em alguns dos torneios mais fortes da época. Sua contribuição para as aberturas de xadrez foi:
Gambito Botvinnik
Sem surpresa, Botvinnik continuou a sua senda de sucesso e deteve o título de Campeão do Mundo em três períodos distintos (1948-57, 1958-60 e 1961-63). A sua longa permanência na elite mundial do xadrez é atribuída à sua impressionante dedicação ao estudo. A preparação dos jogos e a sua análise posterior não eram armas que os seus antecessores esgrimissem, sendo contudo este estudo que conferia a Botvinnik muita da sua força. A técnica em vez da táctica, perícia no final em vez das armadilhas nas aberturas.
Adoptou e desenvolveu linhas sólidas de aberturas na Nimzo-India, Defesa Eslava e Defesa Francesa, que se aguentaram perante vários testes, sendo-lhe possível concentrar-se num pequeno repertório de aberturas durante os seus match’s mais importantes, permitindo-lhe frequentemente encaminhar o jogo para temas bem preparados. Por várias vezes defrontou, em encontros de treino "secretos", mestres do calibre de Flohr, Yuri Averbakh e Viacheslav Ragozin. Foi o desvendar, muitos anos depois, dos detalhes destes encontros, que proporcionou aos historiadores do xadrez uma abordagem inteiramente nova ao reinado de Botvinnik.
É talvez surpreendente que Mikhail Moiseyevich Botvinnik não seja solidamente apontado como um concorrente ao título de melhor jogador de todos os tempos.
Por um lado, os seus feitos foram indubitavelmente impressionantes e deve ser recordado que muitos dos seus rivais, os mais jovens Paul Keres, David Bronstein, Vasily Smyslov, Mikhail Tal e Tigran Petrosian eram, por mérito próprio, jogadores formidáveis. Ele ainda iniciou uma nova forma de encarar o xadrez, com a sua forma de treino e profunda preparação das aberturas.
Por outro lado, os críticos apontam o facto de raramente aparecer em torneios após a Segunda Guerra Mundial e o seu registo fraco em match’s do campeonato do mundo – duas derrotas, das quais conseguiu recuperar o título na desforra, tendo lutado para conseguir empatar os outros dois match’s. Muitos consideram ainda que o jogo de Botvinnik era baseado na precisão dos movimentos, em vez de o ser nas jogadas intuitivas ou espectaculares – embora o jogador, de classe mundial, Reuben Fine tenha escrito que a colecção dos melhores jogos de Botvinnik era uma das "três mais belas".
Três factores contrinbuíram para o seu registo algo inconsistente. A Segunda Guerra Mundial rebentou exactamente quando Botvinnik entrou no seu melhor período – ele poderia ter sido campeão mundial 5 anos mais cedo, se a guerra não tivesse interrompido as competições internacionais de xadrez. Ele foi o único enxadrista de classe mundial que tinha em simultâneo com a sua actividade no xadrez, uma distinta e longa carreira noutro área – o governo soviético condecorou-o pelos seus feitos em engenharia, e Fine contava uma história que mostrava que Botvinnik estava igualmente comprometido com a engenharia e o xadrez. Finalmente, os campeões do mundo anteriores estavam livres para evitar os seus concorrentes mais fortes, da mesma forma que se passa com os pesos pesados do boxe actualmente – Botvinnik foi o primeiro campeão a ter de enfrentar os seus concorrentes mais fortes de três em três anos, e ainda assim conservou o título mais tempo que qualquer um dos seus sucessores exceptuando Garry Kasparov.
Dos anos 1960 em diante, Mikhail Botvinnik preferiu, em vez da competição, dedicar-se ao desenvolvimento de programas de xadrez para computador e assistir e treinar jogadores mais novos – os três famosos K’s soviéticos Anatoly Karpov, Garry Kasparov e Vladimir Kramnik foram três dos seus muitos estudantes.
A autobiografia de Botvinnik, K Dostizheniyu Tseli, foi publicada em russo em 1978, e a tradução em inglês em 1981 como Achieving the Aim (ISBN 0-08-024120-4).

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Regional Norte de Xadrez 2010


Regional Norte de Xadrez 2010

Manaus, 9 a 12 de outubro
R$ 4.000 (quatro mil reais) em premiação
Válido para rating FIDE e CBX
2 vagas para a Semifinal do Campeonato Brasileiro para enxadristas da Região Norte.
Aberto a jogadores de todos os estados do país ou avulsos com cadastro em dia da CBX
 
Local: Auditório da Vila Olímpica de Manaus – Av. Pedro Teixeira s/n – Flores (no primeiro dia da competição o evento será realizado no Salão Mezanino do Hotel Taj Mahal – Av. Getúlio Vargas – Centro) 
 
Organizador da competição: Andrey Marcelo de Souza Neves (Diretor da Região Norte da CBX) – email: andreyneves@bol.com.br Fone: (92) 9119-1504 site: http://fax-am.org/
Arbitragem: AA Bruno França
Apoio institucional: Confederação Brasileira de Xadrez – CBX
                               Federação Amazonense de Xadrez – FAX
                               Fundação Vila Olimpica de Manaus – FVO
                               Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer do Amazonas - SEJEL       
Programação:
Sábado, 09/10:  Salão Mezanino do Hotel Taj Mahal
                          11h00: Plantão para inscrições de última hora
                          13h00: Encerramento das inscrições e Congresso Técnico
                          13h30: Cerimônia de Abertura
                          14h00: 1ª rodada
                          19h00: 2ª rodada
Domingo, 10/10: Auditório da Vila Olímpica
                          14h00: 3ª rodada
                          19h00: 4ª rodada
Segunda, 11/10: Auditório da Vila Olímpica
                         19h00: 5ª rodada
Terca ,    12/10: Auditório da Vila Olimpica
                          09h00: 6ª rodada
                          15h00: 7ª rodada
                          19h00: Cerimônia de Premiação
 
Inscrições:
Até dia 6 de outubro: R$60,00 (adulto) e R$ 30,00 (sub-18, nascidos em 1992 em diante)
A partir de 7 de outubro: R$80,00 (adulto) e R$ 40,00 (sub-18, nascidos em 1992 em diante).
GM ou MI com rating acima de 2400: Isento, com direito a hospedagem, se confirmar a participação até 30 de setembro.
 
Confirmação por e-mail: andreyneves@bol.com.br com cópia para regionalnortedexadrez@gmail.com
 
Depósito da taxa de inscrição para:
BRADESCO: Agência 2239-0  Conta corrente 20573-7
Andrey Marcelo de Souza Neves - CPF: 30998204234
 
Premiação Total: R$ 4.000,00 [quatro mil reais]
Campeão =
R$1.000,00 + Troféu    
Vice-campeão = R$700,00 + Troféu    
3º = R$500,00 + Troféu
4º = R$400,00 + medalha
5º = R$300,00 + medalha
6º = R$200,00 + medalha
7º = R$100,00 + medalha
8º = R$100,00 + medalha
9º = R$100,00 + medalha
10º = R$60,00 + medalha
11º = R$60,00 + medalha
12º = R$60,00 + medalha
13º = R$60,00 + medalha
14º = R$60,00 + medalha
Prêmios de categorias especiais:
Feminino: R$100,00 + medalha
Juvenil: R$100,00 + medalha
Sênior (a partir de 55 anos): R$100,00 + medalha
Medalhas para os melhores (absoluto e feminino) nas categorias sub 18, sub 16, sub 14, sub 12, sub 10 e sub 8.
Os prêmios não são acumulativos. O premiado em mais de uma categoria  recebe o de maior valor. No caso de prêmios de mesmo valor, receberá o prêmio da categoria especial.
Observações:
Todos os jogadores devem estar em dia com o Cadastro CBX 2010
Válido para rating FIDE e CBX.
Vale 2 (duas) vagas para a Semifinal do Campeonato Brasileiro 2010. Sendo que o Campeão terá direito a hospedagem na Semifinal do Brasileiro.
Sistema de jogo: Suíço em 7 rodadas.
Ritmo de jogo: 90´KO +30” de bônus por lance(relógio digital) ou 2h KO (relógio analógico)
Trazer peças e relógio em bom estado de funcionamento.
Critérios de desempate: 1: Milésimos Medianos 2: Milésimos Totais 3: Pontuação progressiva 4. Sonneborn-berger 5. Maior número de vitórias 6. Maior número de vitórias com pretas.
 


segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Campeonato Amazonense Absoluto de Xadrez 2010(2)

Segue nas dependências da vila olimpica a final do Campeonato Amazonense de Xadrez 2010,onde vem sendo liderado por Renan Reis 6.0 seguido por Roberto Rocha,Sebastião Mousse e Leonardo Gadelha (todos com 4.0 e um(1) jogo a menos que renan) á final está sendo arbitrada pelo competente Charles Paz que vem sendo auxiliado por Alterlã Sabino...o jovem Ronnie Stone de apenas 12 anos vem sendo o destaque do evento,onde vem conseguindo excelentes resultados e na ultima rodada de domingo faturou o Campeão Amazonense veterano Sérgio Farias em um final de Damas e peões....!o destaque da rodada de Sabado ficou por conta da partida entre Renan e Leonardo,onde ocorreu de tudo...muitas combinações erros de ambas as partes e finalizou-se com unas tablas por xeque perpetuo!

2010.09.25

  - 
Final do Campeonato Amazonense 2010
Vila Olimpica

1. e4 c6 2. d4 d5 3. exd5 cxd5 4. c4 e6 5. Nc3 Nf6 6. c5 Be7 7. Bd3 Nc6 8. Nf3 O-O 9. O-O Nb4 10. Bb1 b6 11. a3 Nc6 12. b4 bxc5 13. bxc5 Qa5 14. Bd2 Qc7 15. Bd3 e5 16. Nb5 Qb8 17. Nxe5 Nxe5 18. dxe5 Ne4 19. Bxe4 dxe4 20. Nd6 Qb2 21. Bf4 Ba6 22. Re1 Bd3 23. Qc1 Qd4 24. c6 f6 25. c7 fxe5 26. c8=Q Qxd6 27. Q8c7 exf4 28. Qxd6 Bxd6 29. Qc6 Rad8 30. f3 Kh8 31. Kh1 Be5 32. Rad1 e3 33. Qc5 Rfe8 34. g3 g5 35. gxf4 gxf4 36. Qxa7 Bc3 37. Qc7 Be5 38. Qc6 Rc8 39. Qd7 Bg6 40. h4 Bh5 41. Qb7 Rc7 42. Qd5 Rc2 43. Rc1 Rf2 44. Rf1 Rd2 45. Qe4 Rd4 46. Qb7 e2 47. Rfe1 Bf6 48. Qb6 Bxf3 49. Kh2 Be5 50. Qb5 Rdd8 51. Rc5 Bd4 52. Rc7 Rg8 53. Qf5 Rg2

1/2-1/2

1ª. Rodada – Dia 11/09, 16:00 h.
1|Hudson Pessoa,  (1) 0:1 |Renan Reis,  (12)
2|Ronnie Stone,  (2) |1:0| Roberto Rocha,  (11)
3|Mikhael Iwanon,  (3) |0,5:0,5| Sebastião Mousse,  (10)
4|Jordan Gomes,  (4) |0:1| Leonardo Gadelha,  (9)
5|Alan Costa,  (5) |1:0| Elysmar Benayon,  (8)
6|Sergio Farias,  (6) |0:1| Andrey Neves,  (7)
2ª. Rodada – Dia 12/09, 15:00 h.
1|Renan Reis,  (12) |1:0| Andrey Neves,  (7)
2|Elysmar Benayon,  (8) |1:0|Sergio Farias,  (6)
3|Leonardo Gadelha,  (9) |1:0| Alan Costa,  (5)
4|Sebastião Mousse,  (10) |0,5:0,5| Jordan Gomes,  (4)
5|Roberto Rocha,  (11) |1:0| Mikhael Iwanon,  (3)
6|Hudson Pessoa,  (1) |1:0| Ronnie Stone,  (2)
3ª. Rodada – Dia 18/09, 16:00 h.
1|Ronnie Stone,  (2) |0:1| Renan Reis,  (12)
2|Mikhael Iwanon,  (3) |1:0| Hudson Pessoa,  (1)
3|Jordan Gomes,  (4) |:|Roberto Rocha,  (11) (nova data)
4|Alan Costa,  (5) |0:1| Sebastião Mousse,  (10)
5|Sergio Farias,  (6) |:| Leonardo Gadelha,  (9) (01/10/2010)
6|Andrey Neves,  (7) |1:0| Elysmar Benayon,  (8)
4ª. Rodada – Dia 19/09, 09:00 h.
1|Renan Reis,  (12) |1:0| Elysmar Benayon,  (8)
2|Leonardo Gadelha,  (9) |0,5:0,5| Andrey Neves,  (7)
3|Sebastião Mousse,  (10) |1:0| Sergio Farias,  (6)
4|Roberto Rocha,  (11) |0,5:0,5| Alan Costa,  (5)
5|Hudson Pessoa,  (1) |:| Jordan Gomes,  (4) (nova data)
6|Ronnie Stone,  (2) |0,5:0,5| Mikhael Iwanon,  (3)
5ª. Rodada – Dia 19/09, 16:00 h. 
1|Mikhael Iwanon,  (3) |0,5:0,5| Renan Reis,  (12)
2|Jordan Gomes,  (4) |1:0| Ronnie Stone,  (2)
3|Alan Costa,  (5) |0:1| Hudson Pessoa,  (1)
4|Sergio Farias,  (6) |:|Roberto Rocha,  (11) (nova data)
5|Andrey Neves,  (7) |1:0| Sebastião Mousse,  (10)
6|Elysmar Benayon,  (8) |0:1| Leonardo Gadelha,  (9)

6ª. Rodada – Dia 25/09, 16:00 h.
1|Renan Reis,  (12)|:|Leonardo Gadelha,  (9)
2|Sebastião Mousse,  (10)|:|Elysmar Benayon,  (8)
3|Roberto Rocha,  (11)|:|Andrey Neves,  (7)
4|Hudson Pessoa,  (1)|1 : 0|Sergio Farias,  (6)
5|Ronnie Stone,  (2)|1/2:1/2|Alan Costa,  (5)
6|Mikhael Iwanon,  (3)|:|Jordan Gomes,  (4)

7ª. Rodada – Dia 26/09, 15:00 h.

1|Jordan Gomes,  (4)|:|Renan Reis,  (12)
2|Alan Costa,  (5)|:|Mikhael Iwanon,  (3)
3|Sergio Farias,  (6)|0:1|Ronnie Stone,  (2)
4|Andrey Neves,  (7)|:|Hudson Pessoa,  (1)
5|Elysmar Benayon,  (8)|:|Roberto Rocha,  (11)
6|Leonardo Gadelha,  (9)|:|Sebastião Mousse,  (10)
8ª. Rodada – Dia 02/10, 16:00 h.
1|Renan Reis,  (12)|:|Sebastião Mousse,  (10)
2|Roberto Rocha,  (11)|:|Leonardo Gadelha,  (9)
3|Hudson Pessoa,  (1)|:|Elysmar Benayon,  (8)
4|Ronnie Stone,  (2)|:|Andrey Neves,  (7)
5|Mikhael Iwanon,  (3)|:|Sergio Farias,  (6)
6|Jordan Gomes,  (4)|:|Alan Costa,  (5)
9ª. Rodada – Dia 03/10, 15:00 h.
1|Alan Costa,  (5)|:|Renan Reis,  (12)
2|Sergio Farias,  (6)|:|Jordan Gomes,  (4)
3|Andrey Neves,  (7)|:|Mikhael Iwanon,  (3)
4|Elysmar Benayon,  (8)|:|Ronnie Stone,  (2)
5|Leonardo Gadelha,  (9)|:|Hudson Pessoa,  (1)
6|Sebastião Mousse,  (10)|:|Roberto Rocha,  (11)
10ª. Rodada – Dia 16/10, 16:00 h.
1|Renan Reis,  (12)|:|Roberto Rocha,  (11)
2|Hudson Pessoa,  (1)|:|Sebastião Mousse,  (10)
3|Ronnie Stone,  (2)|:|Leonardo Gadelha,  (9)
4|Mikhael Iwanon,  (3)|:|Elysmar Benayon,  (8)
5|Jordan Gomes,  (4)|:|Andrey Neves,  (7)
6|Alan Costa,  (5)|:|Sergio Farias,  (6)

11ª. Rodada – Dia 17/10, 15:00 h
1|Sergio Farias,  (6)|:|Renan Reis,  (12)
2|Andrey Neves,  (7)|:|Alan Costa,  (5)
3|Elysmar Benayon,  (8)|:|Jordan Gomes,  (4)
4|Leonardo Gadelha,  (9)|:|Mikhael Iwanon,  (3)
5|Sebastião Mousse,  (10)|:|Ronnie Stone,  (2)
6|Roberto Rocha,  (11)|:|Hudson Pessoa,  (1)




1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
TOTAL
1. Hudson Pessoa
 x  1  0  1  1  0  0  3.0
2. Ronnie Stone
 0 x  =  0  =  1  1  0  3.0
3. Mikhael Iwanon
 1  =  x  =  =  0  =  3.0
4. Jordan Gomes
 1  x  0  =  =  0  2.0
5. Alan Costa
 0  =  =  x  1  0  0  =  2.5
6. Sergio Farias
 0  0  x  0  0  0  0.0
7. Andrey Neves
 1  1  x  1  =  1  0  0  4.5
8. Elysmar Benayon
 0  1  0  x  0  0  0  1.0
9. Leonardo Gadelha
 1  1  =  1  x  0  =  4.0
10.Sebastião Mousse
 =  =  1  1  0  1 x  4.0
11.Roberto Rocha
 0  1  =  =  1  1  x  4.0
12.Renan Reis
 1  1  =  1  1  1  =  x  6.0